Characters of people holding internet search icons illustration

Saiba mais sobre Marketplace – vale a pena participar?

Com a integração do varejo físico com o digital, surgem alternativas variadas de mercados de atuação on-line para os lojistas. Entre vender pelas redes sociais, criar um e-commerce ou apostar em outros meios como o Marketplace, será preciso analisar as vantagens ideais para a sua realidade. Por isso adiantamos que nesse processo de transição para as vendas on-line é necessário ter um diagnóstico da sua empresa, pois assim será mais fácil tomar uma decisão mais assertiva. Marketplace – vale a pena participar?

Vamos entender primeiro o que é:

Marketplace são sites de grande relevância e com uma taxa elevada de acessos e visitantes, que disponibilizam espaços para lojistas venderem seus produtos nesses canais. É como um grande distribuidor na internet – faz a intermediação do lojista com os compradores. Hoje são mais de 10 marketplaces no Brasil que abrem espaço digital para empresários de todos os portes, e dominam grande parte das vendas on-line do país.

Em linhas gerais, existem marketplaces com várias opções de produtos, como o MercadoLivre e a OLX, e outros que focam em determinados nichos, como a Netshoes e a Dafiti. Cada site tem um tipo de cadastro e processo para fazer parcerias, alguns mais ou menos complexos. A maioria trabalha dessa forma: você cadastra os seus produtos sem pagar nada e toda vez que vender haverá uma comissão (entre 10% e 20%) direcionada para o marketplace.

Listamos alguns exemplos disponíveis:

– MercadoLivre: O maior marketplace do país e o principal na América Latina. Em 2019 alcançou US$ 3,1 bilhões em vendas. Oferece parceria com os Correios e tem facilidades como o Mercado Envios, que possibilita boas opções de frete. Trabalha com o Mercado Pago e um sistema de reputação, que trazem mais segurança às compras e aos pagamentos. Para vender no site é bem simples, basta criar uma conta gratuita e cadastrar os produtos;

– B2W: Responsável por gerir os marketplaces das marcas Lojas Americanas, Submarino e Shoptime. Trabalha com um grande investimento em publicidade e marketing;

– Amazon: Empresa com mais de 20 anos de experiência em vendas on-line, também é um dos principais marketplaces do país. Oferece uma taxa de transação por venda menor do que o Mercado Livre, atraindo muitos varejistas, mas não oferece vantagens como sistema de envio mais barato;

– Dafiti: Marca especializada na venda de roupas, calçados e acessórios, seu marketplace tem mais de 10 milhões de visitantes todo mês. Os lojistas parceiros têm a possibilidade de anunciar produtos nos canais da loja;

– Outros marketplaces: Magazine Luiza/Mercado Magalu, Elo7 (artesanatos, produtos personalizados), OLX, Netshoes, Carrefour, Casas Bahia, Centauro, Enjoei, marketplace do Facebook, marketplace de shoppings, iFood, Uber e afins.

Empresários que usam marketplaces recomendam que os lojistas coloquem seus produtos em mais de um site, para não ficar refém das mudanças internas que podem ocorrer e que talvez impactem o seu negócio.

 Antes de tomar uma decisão, avalie alguns pontos:

Ingressar em um marketplace é a forma mais rápida de ganhar mercado sem gastar muito – já que os esforços de divulgação são da plataforma;

● O retorno financeiro é mais imediato;

● No marketplace há uma disputa maior de preços;

● Criar uma loja virtual leva um pouco mais de tempo.

Também é importante observar o seu mix de produtos com o mix de produtos do marketplace escolhido, para que alcance o público que realmente está buscando itens que você vende. Contudo, será necessário direcionar um time para lidar com todas as frentes e responsabilidades que envolvem as vendas nesses mercados – ou contratar um sistema ERP, como falamos no conteúdo sobre como iniciar o planejamento para vender on-line.

Quer saber mais sobre a transformação digital no varejo e como ela pode ajudar sua empresa durante a crise? Clique aqui!

Compartilhe:
Leadership Management Skills Leader Support Concept

Motivar vendedores – muito além da comissão

Seja representante de vendas ou vendedores de lojas, manter esses profissionais motivados é um dos maiores desafios dos gestores e gerentes comerciais, principalmente em tempos de crise, como esse que estamos vivenciando com a Covid-19. Ignorar o problema não faz com que ele desapareça, inclusive, as soluções podem aparecer através de uma dinâmica com a sua equipe, abrindo espaço para novas ideias e visões diferentes.  

A cada dia que passa fica mais claro que motivar vendedores vai muito além da comissão – o conceito de que dinheiro é tudo está ultrapassado. O vendedor quer ser bem visto e não mais ter aquela imagem à moda antiga, vender por vender e se passar por chato. Ao mesmo tempo, sabemos que não existe venda sem entusiasmo, sem demonstrar interesse pelo ‘problema’ do cliente, que pode ser solucionado com um bom atendimento e um sorriso no rosto quando o produto atende às expectativas do consumidor.  

Segundo alguns especialistas, as pessoas tomam uma atitude com base em seus motivos pessoais, algo que se abre de dentro para fora, por isso é importante saber ouvir seus colaboradores, para que eles expressem suas motivações e juntos possam trabalhar em prol disso – por meio das vendas no varejo. Outra maneira é criar um ambiente motivacional, onde o líder de vendas se mantenha como um exemplo e referencial, que estimula todos ao redor e cria condições para que a motivação seja cultivada no dia a dia da equipe.  

Listamos 7 dicas para motivar vendedores:  

– Crie competições saudáveis por meio de gamificação. Essa estratégia fora da caixa promove dinâmicas de jogos no ambiente de trabalho, como por exemplo, criar um sistema de pontuação entre os vendedores. A proposta é oferecer recompensas aos melhores desempenhos, como treinamentos. Dessa forma cria-se um parâmetro entre os profissionais, estimulando a superação de desafios e metas; 

– Observe a sua equipe e elogie quando alguém for além do esperado. É uma maneira simples de reconhecer e valorizar o trabalho dos vendedores

– Faça reuniões semanais com o time para que eles participem com opiniões e sugestões. Integrar os vendedores nas decisões estratégicas faz com que eles se sintam úteis e parte importante do grupo. Até porque são os vendedores que têm contato aproximado com o consumidor e sabem o que eles esperam; 

– A partir das reuniões, defina metas alcançáveis por dia ou por semana. Manter um foco contribui para a motivação; 

– Sempre reforce para a sua equipe que mesmo as crises têm um fim. Esse momento é delicado e passageiro, então todo pequeno passo diário é considerado evolução; 

– Exponha para os vendedores outras situações desafiantes do passado que a empresa já superou, reforçando os aprendizados; 

– Ofereça treinamentos que aumentem a bagagem dos vendedores. Novas técnicas podem dar um gás no dia a dia do varejo. 

Com todas essas opções, já dá para começar a aplicar na sua loja. Lembre-se que pagar comissão é fácil, o difícil é manter o clima de motivação sem focar em novas perspectivas. Também não se esqueça de prestigiar seus vendedores e valorizar o trabalho desempenhado. 

Quer saber mais sobre inovar no varejo? Clique aqui para assinar nossa newsletter e acompanhar todas as novidades do setor! 

Compartilhe: